Juliana Aparecida

 

View this post on Instagram

 

Enquanto termino de preencher os diários de classe (eles se reproduzem, é sério rs), aproveitei para ouvir um bom e velho metal. Comecei com Aryadeva, uma banda de folk e black metal com letras que tratam das mitologias eslava e védica (a banda é formada por ucranianos e indianos). Depois encontrei sem querer a banda Narjahanam, do Bahrein que aborda a história do Oriente Médio, suas guerras e religiões. Depois pesquisei as bandas africanas e nomes já conhecidos como Overthrust, Wrust, Sasamaso, Demogoroth Satanum e Still Rolling With the Times apareceram, além das bandas Scratch e Café Negro que ainda não conhecia e deixaram a minha manhã mais trevosa e feliz. A pesquisa não se restringiu aos vídeos, mas também aos textos e sites sobre as bandas africanas. Encontrei um site maravilhoso, mas a minha decepção foi a de não encontrar muitas bandas com integrantes negros. Até na divulgação de bandas africanas o colonizador se beneficia… Na foto, a banda angolana Café Negro. ❤ Indique uma banda não ocidental e/ou com integrantes negros. #rocknegro #rockafricano #negrosnorock #orocképreto #criaçãopreta #metaleirasnegras #bandasnegras #bandasnãoocidentais #bandasafricanas

A post shared by Juliana Aparecida (@juliana.apsouzaguilherme) on

//www.instagram.com/embed.js

Wanted to share another Portugese-language project from professor Juliana Aparecida that deals with black women in rock and other Afrocentric topics. A sample of her Instagram page is above. Check out her blog here!

‘Negras no Metal’ on Instagram

Came across this awesome Instagram page (Negras no Metal) that focuses on black women in punk and metal bands. In the course of following this page, I have discovered several bands I knew nothing about before! The page is in Portuguese, but it’s packed with so much information that I view it as an invaluable resource. Check it out!

//www.instagram.com/embed.js